Arquivo | fevereiro 2012

“Cinderfella”

Chris Colfer disse recententemente em uma entrevista que se há três anos atrás alguém lhe dissesse que conquistaria tudo o que alcançou até agora, ele iria pedir pra parar de zombar dos sonhos dele.


Continuar lendo

Anúncios

And the Oscar goes to…

Amanha é dia de Academy Awards, o famoso Oscar, prêmio entregue anualmente pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas aos melhores do cinema mundial, os que mais se destacaram diante das telas: atores e atrizes, principais e coadjuvantes; e por detrás delas: diretores, editores de som, fotografia, maquiagem e outros.

É fato que, de uma forma ou de outra, o Oscar atinge diversos tipos de comentários, seja das críticas detentoras dos palpites e apostas baseadas em técnica, até as revistas de moda que comentam os vestidos mais bonitos (e outros nem tanto assim) que desfilaram pelo mais aclamado dos tapetes vermelhos.

Desde 1929 até os dias atuais, a entrega do prêmio gera murmurinho entre congratulações, surpresas e decepções. Para 2012, o favoritismo está nas mãos de O Artista (The Artist), indicado a 10 estatuetas, dentre elas a mais cobiçada: Melhor Filme. O francês Jean Dujardin estrela a obra que apostou no saudosismo do preto e branco mudo, ou quase mudo, que já recebeu três Globos de Ouro e conta a história de um ator de cinema (inception?), participando de muitas aventuras ao lado de seu cão Terrier. Saudosismo, romance e cães, uma combinação perfeita e um desafio – levando-se em conta a alta tecnologia com que hoje trabalham os filmes – que caíram no gosto do público.

Continuar lendo

RESENHA: A Iniciação (Círculo Secreto – Vol. 1)

Pra quem não sabe, sou fã de livros com temática sobrenatural. Claro, desde que não tenha nenhum vampiro que brilhe à luz do sol. (Sim, sei que vocês entenderam o que eu disse, mas não me crucifiquem por isso, é questão de gosto apenas! Rsrsrs…) E por isso venho trazer como primeira resenha do Chá de Histórias, um livro com esse assunto. Vou falar para vocês sobre A Iniciação.

Cassie Blake se considerava uma adolescente americana comum. Mas não é. No início do livro vemos uma amizade meio bizarra entre ela e a irritante Portia. Elas estão na praia de Cape Cod, e Cassie está odiando aquele passeio. Até que por um fato inusitado, ela salva a pele de um estranho (e sexy) jovem. O encontro deixa lembrança, como uma pedra da sorte de calcedônia dada pelo jovem à Cassie. Mas as surpresas não param por aí. Ao chegar a sua casa se depara com a notícia de que ela e sua mãe, Alexandra Blake, irão morar com a avó materna, Howard Blake, em New Salem. Detalhe sórdido: Ela nunca conheceu essa tal avó. Uma mudança e tanto. Continuar lendo

Sorteio – Os descendentes

A chegada do Oscar lembrou-nos de que uma premiação une duas coisas muito amadas pelo blog em uma só: o melhor roteiro adaptado, entregue para o roteirista cujo trabalho foi baseado em outra fonte (livro, peça de teatro, série de TV ou mesmo outro filme). Nesse ano, os indicados nessa categoria são: A Invenção de Hugo Cabret, Tudo pelo Poder, Os Descendentes, O Espião que Sabia Demais, O Homem Que Mudou o Jogo (clique nos links para acessar as sinopses).

Então, como presente de boas vindas, resolvemos sortear entre vocês um livro que serviu de inspiração para um dos concorrentes a melhor roteiro adaptado.

Continuar lendo

Curtas

Uma modalidade de filme ainda um pouco marginalizada é o curta-metragem. Marginalização que considero injusta: apesar da duração inferior a 30 minutos, assim como o longa o curta possui enredo e roteiro bem preparados e esconde histórias magníficas e belas trilhas sonoras – vencendo o desafio que é contar algo detalhista em pouco tempo.

Continuar lendo

Alguém aqui tinha que gostar de chá


Sim, eu gosto de chá! O simples cheiro me causa nostalgia! A contragosto dos  ingleses meu chazinho sempre era tomado às 15:30hs, no meu lanchinho da tarde, quando eu era – como se não mais fosse – bem pequenininha. A resposta a esta pergunta que vocês devem estar se fazendo é simples: LACTOSE. Eu nasci com intolerância a leite e não sei por que motivo mamãe escolheu o chá para substituir o tradicional “leite com Toddy”. E esse foi o motivo pelo qual me tornei adepta ao five o’clock tea desde a infância. Que me perdoem os ingleses e sua mania de pontualidade, mas eu adiantava – o que ameniza meu pecado – e não atrasava o exercício cultural de mandar pra dentro uma xícara de chá. Hoje, aos 25 anos, eu que sempre quis ser bailarina ou pianista, mas acabei me formando em direito, não tenho mais intolerância a leite, mas continuo achando o chazinho bem vindo, qualquer que seja seu sabor, sem horário fixo ou ocasião definida.

E é bem esse five o’clock tea “fora de hora” que viemos propor a vocês. Serviremos vários tipos e estilos de “chás”, daqueles que mesmo quem não curte a bebida degustará com gosto. Isso por que a essência aqui usada será sempre uma boa história.

Se há neste mundo alguém que não goste de uma boa história “COOOOOOOORTEM-LHE A CABEÇA”. Acho que todos, mesmo os mais preguiçosos que jamais se animariam diante de um livro, devem gostar de alguma coisa que os levem a conhecer mais uma história. Seja através de livro, filme, seriado, novela, ou até mesmo fofoca (famoso “boca a boca”), as pessoas estão sempre prontas para saber de “mais uma”. E se assim não for “COOOOOOORTEM-LHE A CABEÇA”, mais uma vez!

Eu pessoalmente gosto de todos estes meios que citei, mas tenho um carinho especial (leia-se vicio) pelos livros. Em breve vocês irão perceber que não tenho um gênero ou autor predileto (ao menos não no momento). Escolho minhas leituras por instinto e raramente abandono um livro pela metade. Tento manter o otimismo de que o desfecho compensará toda a falta de talento do autor ou a péssima história em si, e quando dou com “os burros n’água” a vontade que tenho é de, novamente, “COOOOORTEM-LHE A CABEÇA”.

(Tá, parei!)

Quando o Fá, famoso Baloo, me falou sobre o projeto, desse blog eu me identifiquei porque sabia que seria uma grande oportunidade de fazer ao lado de pessoas especialíssimas as coisas que mais gosto (ler, e assistir séries, filmes e afins) e uma das coisas que mais preciso (escrever). Mas me esqueci do detalhe de que tudo que escrevo é para mim ruim demais para ser publicado. Agora cá estou eu em um rompante de ousadia tentando vencer o medo da crítica e a mania de perfeccionismo. Juntos venceremos! rs

Foi dada a largada da mais longa temporada de five o’clock teas “fora de hora”  já vista neste planeta!

Sobre o Autor

Bárbara Bárbara quase estudou medicina, mas queria mesmo era ser bailarina ou pianista. Acabou se formando em direito e está feliz com sua escolha. Em um futuro não muito distante se tornará uma advogada que toca piano e dança balé. Escreve porque ainda tem algumas perguntas, e lê porque busca respostas.

Histórias para minha vida!

Bom, meu nome é Fabiano, mas podem me chamar de Baloo também.Sou apaixonado por histórias. Talvez por que nasci no dia do escritor… Mas isso é apenas uma teoria. Existem outras, mas não vejo motivos para importunar você com elas. O que acho necessário dizer é sobre as histórias. Sim, elas me fascinam. O fato de haver um mundo cheio de histórias para serem contadas me deixa incrivelmente fascinado. Princesas aprisionadas, monstros em um lago ou mesmo em uma casa abandonada, um casal de amantes que são impedidos de estarem juntos por causa do destino, elfos guerreiros, crianças em meio há uma guerra que aprende a ler de forma mais inusitada, vampiros, lendas, mitos… Seja lá o que for, conseguem tornar meu mundo melhor.

Claro, tenho minhas preferências. Não é qualquer coisa que consegue me seduzir para leitura. Acredito que não existe história ruim, mas mal contada. Por isso, adoro as que emocionam com a simplicidade das palavras e ações de seus personagens ou narradores. Que são contadas pelo simples fato de existirem de verdade, nem que seja no mundo paralelo. Alguns me acusam de que sou fantasioso demais, outros de ser infantil, louco até. Prefiro ser acusado apenas de gostar de histórias. Não vejo nenhum mal nisso e você?

O primeiro livro que tenho guardado na memória chama-se A Abelhinha Feliz de Ivan Engler Almeida. Um conto infantil sobre a busca de viver, ser mais do que todos ditam que seja a sua vida. Aquela abelhinha me picou de vez… Queria ser como ela: perspicaz, autêntico. O livro me acompanhou durante quase 10 anos e, um dia, se perdeu. Sinto falta dele comigo, mas o que aquela história me causou perdura até hoje. Agora, existem outros livros que me acompanham e estão na minha estante. Sei que outros chegarão.

Parte da minha singela estante onde estão as histórias que me acompanham.

Por isso é que histórias são importantes na minha vida. E sei que existem pessoas que tem o mesmo sentimento. Adoro cinema, sou viciado em séries televisivas (e espero falar sobre esses “amores” aqui também de vez em quando), mas nada me deixa tão feliz quanto a passagem de uma página de livro, seja qual for. Tenho minhas histórias preferidas, meus escritores favoritos. E o que mais interessante disso é que são variadas as premissas que os tornaram prediletos. Tenho meus romances (principalmente com muito açúcar), meus sobrenaturais (quanto mais original melhor ), suspenses e terrores favoritos e outras categorias do coração. Sem contar as personagens de quem me considero um ardoroso e fiel fã (confesso que nesse caso tenho mais vilões favoritos do que mocinhos e belas e ingênuas mocinhas), mas isso fica para outra vez.

Bom, sempre fui um leitor de histórias e há algum tempo venho acompanhando blog literários para trocar informações e não me sentir um pouco sozinho nesse mundo (talvez algumas pessoas entendam isso, é horrível gostar de ler e falar disso e não parecer estranho para um bocado de gente!).  Cheguei a colaborar com dois sites durante pouquíssimo e raro tempo – o que me deixou com muito mais interesse nesse mundo de tecnologia e interatividade. E hoje, com o apoio e super habilidades de Letícia Soares, Carolina Marietta e Bárbara Estrêla consegui alcançar o desejo de fazer parte de um blog por inteiro.

Sendo assim, convido você a estar comigo por aqui. Para tomar um chá acompanhado de histórias. Espero servir a seu gosto. Sempre terei uma xícara esperando por uma companhia agradável para juntos falar de nossas histórias preferidas (ou as não tão preferidas assim).

Leiamos! Sempre.

Sobre o Autor:

Fabiano Fabiano Baloo é apaixonado por histórias. Ele é leonino, gosta de chocolates, pizza, coruja e a cor amarela . Adoraria ter se formado em Hogwarts.